Follow by Email

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Síndrome de Asperger

De acordo com o DSM-IV-TR 2000, a síndrome de Asperger, assim como o autismo, é um transtorno global do desenvolvimento. Foi descrita pela primeira vez por Hans Asperger em 1944, mas foi incluída no DSM-IV com critérios para diagnóstico apenas em 1994. A síndrome de Asperger  é diagnosticada quando o sujeito mostra distúrbios em interações sociais e atividades e interesses restritos, sem atraso geral significativo na linguagem e tem inteligência média ou acima da média.
A síndrome de Asperger é caracterizada por desvios e anormalidades em três amplos aspectos: relacionamento social, uso da linguagem para a comunicação e comportamento que envolve características repetitivas ou perseverativas sobre um número limitado, porém intenso, de interesses. Os indivíduos que têm síndrome de Asperger desenvolvem a linguagem, porém sua utilização ocorre de forma incomum. É comum que estes sujeitos não tenham habilidade para interagir com seus pares e que tenham uma pobre apreciação da trança social; respostas socialmente impróprias são, também, comuns e típicas. A prosódia do indivíduo portador desta síndrome é incomum; a voz tende a ser agudizada e monocórdica.
Os portadores desta síndrome comumente monodialogam. Sua compreensão e interpretação são literais, não conseguindo, portanto, compreender ambigüidade, duplo sentido, piadas e brincadeiras. Contrastando com o autismo típico, onde os interesses são mais provavelmente por objetos ou partes de objetos, nesta síndrome os interesses são mais frequentemente por áreas intelectuais específicas.  Na escola, ou mesmo antes, muitas vezes demonstram interesse obsessivo em uma área como matemática, aspectos de ciência, leitura, querendo aprender tudo que for possível sobre o objeto e tendendo a insistir nisso em conversas e jogos livres. Nesta síndrome, habilidades de aprendizagem e mesmo comportamentos mais adaptativos podem ser preservados. Há interação social, porém ela não é efetiva.
Muitos psiquiatras consideram a síndrome de Asperger como sendo sinônimo do autismo de alto funcionamento. Outros consideram que a síndrome é algo diferente do autismo e não pode ser classificada como sinônimo do autismo de alto funcionamento.

Referência:

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION: Diagnostic and statistical manual of mental disorders. 4 ed., Text Revision, Washington: American Psychiatric Association, 2000.

Nenhum comentário:

Postar um comentário